Total de visualizações de página

Diabético, nadador Matheus Santana é considerado 'novo Cielo' do esporte

Atleta do Botafogo, o velocista, que toma quatro injeções de insulina ao dia, tem marcas melhores que o recordista olímpico e já é alvo de homenagens 

 

Por GLOBOESPORTE.COM Rio de Janeiro

 
video

Uma promessa da natação não nasce de um dia para o outro. São muitos treinos, comprometimento e obstáculos a superar. Para Matheus Santana, eles são ainda maiores. Joia do Botafogo e considerado “o novo Cielo” pelas marcas que já atingiu, o nadador é portador de diabetes, uma doença caracterizada pelo aumento anormal das taxas de glicose no sangue.

- Tanto no meio esportivo quanto na doença, no caso a diabetes, você tem que ter muita disciplina. E isso até ajuda um pouco, porque eu tenho que tomar meu remédio na hora certa, treinar na hora certa, dormir na hora certa – comentou.

Muitos nadadores também lutaram contra o mesmo problema. O americano Gary Hall Junior, dono de dez medalhas olímpicas na natação, e o brasileiro Fernando Scherer, o “Xuxa”, são alguns dos exemplos. Além da força de vontade e do esforço nos treinamentos, Matheus leva uma caixinha para as piscinas. Ele tem que tomar quatro injeções de insulina por dia, hormônio que o corpo não consegue produzir.

Matheus Santana, nadador juvenil do Botafogo (Foto: Lydia Gismondi) 
 
Matheus Santana toma quatro injeções de insulina por dia para conter a diabetes (Foto: Lydia Gismondi)
 
- A gente fica preocupado com a questão dos horários em competições que acabam mudando o horário de alimentação, de descanso. Só tentamos fazer com que ele não esqueça de medir a glicose por causa da correria – disse o treinador de Matheus, Rodrigo Roque.

A história tem chamado tanta atenção que Matheus já ganhou até uma homenagem. Na sede do clube pelo qual compete, há uma exposição temporária com fotos, medalhas e troféus conquistados pelo jovem. Nos 100 metros, o nadador já obteve tempos melhores que os de César Cielo, na época de juvenil.

- Com muito pé no chão, é um futuro para o nosso revezamento nos 4x100 livre, para 2020. Tenho certeza que será nadador de 50 e 100 livre do Brasil, com grandes chances, nessa evolução, de estar fazendo tempos de nível mundial – diz Cielo.

Matheus, inclusive, já possui planos para o próximo ano. Ele viajará para a Rússia para um período de treinamentos com o treinador do ex-atleta Alexsander Popov, quatro vezes ouro em Olimpíadas.